Notícias

Projeto “Cartografia das cantoras negras e indígenas da Bahia” está com levantamento voltado aos negócios da música

Foto: Dilvulgação

A pesquisa “Cartografia das cantoras negras e indígenas da Bahia”, da plataforma Frequências Preciosas, traçará um panorama socioeconômico do trabalho de cantoras, cantautoras e intérpretes, apresentado num diagnóstico sobre a participação feminina nos negócios da música. 

O formulário de pesquisa está aberto para preenchimento no site www.frequenciaspreciosas.com.br até o dia 10/10. Nele, as artistas poderão responder, anonimamente, questões relacionadas à sua rotina de trabalho na cena musical, além de aspectos socioeconômicos (atravessados por questões de gênero e raça). Ao responder o questionário, a artista contribuirá para a consolidação de dados relevantes para a compreensão do cenário musical e a participação de mulheres negras e indígenas na economia da música. 

“Um dos principais objetivos desta cartografia, é descobrir quem são as cantoras atuantes no ecossistema da música baiana: seus desejos, suas indagações, bem como descobrir questões socioeconômicas sobre a participação destas mulheres neste cenário”, explica Júlia Salgado, coordenadora da pesquisa. 

No cadastramento, as artistas que quiserem terão espaço para enviar informações sobre suas carreiras, fazendo o upload de material profissional, como conteúdo musical em streaming, endereços de sites e redes sociais, contato profissional, fotos, etc.

O encerramento do mapeamento culminará com dois produtos: um e-book gratuito com o relatório final de dados levantados da pesquisa e uma base digital georreferenciada, disponível no site das Frequências Preciosas, num mapa com o portfólio das cantoras cartografadas, oriundas de diferentes territórios de identidade da Bahia. 

Raína Biriba, coordenadora de produção e gestão estratégica do projeto, diz que a escolha da pesquisa seguiu o recorte do ofício das cantoras e intérpretes baianas, aqui consideradas vozes e corpos que representam o front de um avesso da cena musical. “Essa iniciativa tem como missão dar vista a essas artistas, e, como agente desta cadeia, posso dizer, a nossa existência na Música Brasileira, deixar nossa marca, diversidade, defendê-la desde a criação”. 

SOBRE O FREQUÊNCIAS PRECIOSAS – É uma plataforma que tem como propósito promover ações estruturantes de difusão, formação, pesquisa e inovação, voltados ao desenvolvimento das carreiras de mulheres negras e indígenas da cena musical brasileira. Criada em 2020 pela cantautora Viviane Pitaya, a iniciativa já catalogou mais de 500 cantoras, compositoras e intérpretes negras e indígenas do Brasil. Neste escopo de atividades, já foram realizadas ações como o “1º Congresso Frequências Preciosas”, no ano de 2021, projeto de formação e difusão voltado aos negócios da música, e ações como o “Sarau Preciosas” e a “Noite Preciosa” na Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro.

A cantora baiana Viviane Pitaya lembra que, antes da pandemia chegar, ela desenvolvia um show autoral para apresentar nos espaços culturais da capital baiana. “Quando a pandemia começou, tive a ideia de buscar por nomes como o meu, negras e em processo de construção de carreira artística, para saber como elas estavam, o que faziam, conhecer seus trabalhos e trocar experiências. Encontrei artistas incríveis, comecei a mapeá-las e foi assim que surgiu as Frequências Preciosas, em maio de 2020”, detalha. 

SOBRE A PESQUISA – A pesquisa é desenvolvida no Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura/IHAC) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), orientado por Daniele Canedo e Paulo Miguez. A iniciativa é financiada com o apoio da CAPES, do Programa de Extensão para Pós-graduação da Proext (UFBA) e do Programa Mulheres nas Indústrias Criativas Brasil-Chile 2022 do Goethe-Institut Salvador-Bahia. Este mapeamento faz parte da dissertação “Cantoras afro-latino-americanas no ecossistema da música baiana: dados ocupacionais, desafios e perspectivas”, de Júlia Salgado.


Mais informações em: www.frequenciaspreciosas.com.br | e nas redes sociais da plataforma @frequenciaspreciosas

0 comentário em “Projeto “Cartografia das cantoras negras e indígenas da Bahia” está com levantamento voltado aos negócios da música

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: