Notícias

4 anos de “Esú”, de Baco Exu do Blues

Foto: Divulgação

Simplesmente abra o caminho e deixe o Exu passar e ele realmente passou.

Em 4 de setembro de 2017, há exatos 4 anos, Baco Exu do Blues colocou na rua o álbum que viria a mudar a sua carreira. Depois do fatídico e controverso “Sulicídio” – faixa que critica o eixo Rio-São Paulo na cena do rap – somos presenteados com o primeiro disco do artista recém saído do D.D.H. Tudo aqui é bem completo, vemos diversas facetas do mesmo artista que pede licença para entrar no início do disco e se desenrola com seus devaneios, inseguranças e principalmente a dualidade entre a humanidade e divindade.

Na faixa “En Tu Mira”, para mim a mais pessoal do disco, Baco inicia uma discussão sobre saúde mental e expectativas. É um verdadeiro desabafo que só é resolvido no próximo disco “Bluesman” (2018). No trecho “Isso é um pedido de socorro / Você está aplaudindo / Eu tô me matando, porra / Eu tô me matando, você tá aplaudindo” mostra a busca de ajude e para mim marca o começo da narrativa que vamos descobrir no decorrer do disco e se conecta diretamente com a próxima faixa “Esú”.

São nessas pequenas e profundas amostras de sentimentalismo que fazem desse disco uma obra tão especial. Particularmente para mim que trato com tanto carinho esse álbum desde quando o conheci em 2017 por recomendações de amigos. Não saiu dos meus ouvidos durante esses 4 anos e me orgulho em dizer que nos meus primeiros anos de faculdade, foi Baco que me acompanhou e me motivou a continuar. 

O hit desse disco é a famosa e irreconhecível “Te amo, desgraça”, que apesar de uma lovesong com a cara da Bahia, existem controvérsias de quem mora aqui e torce o nariz para a canção. Genial, como qualquer outra, Baco aqui coloca uma das suas marcas registradas e referencia taças de vinho quebrada, marca que traz em seu nome a própria divindade grega da boêmia. 

Tudo relacionado a Baco é perigoso, incerto e tentador. Tudo muito explicitado em “Te amo, desgraça”, que é gostoso de ouvir, gostoso de sentir. Canção de muitos relacionamentos que se construíram durante esse tempo, levou casais a loucuras tais como na Grécia Antiga… creio eu… 

Em suma, Baco continua criando e muito bem. Foi assim com Bluesman, com as demais singles lançados posteriormente e até o EP lançado durante a quarentena. “Bacanal” está por vir, o disco já está pronto, mas segundo o próprio artista está sendo preparado um formato de lançamento diferente. No disco, já foi confirmado como Ney Matogrosso, BK, Kiko Dinucci, Urias e Duda Beat como participações. O web-documentário que conta um pouco o processo de criação está disponível no canal do YouTube da 999, selo independente criado por Baco. “Esú”, definitivamente, ainda continua e ainda será um dos melhores discos do rap nacional dessa nova cena.

Baiano da gema (graças a Deus), fluente em baianês, jornalista musical por amor, assessor de comunicação por profissão. A linha tênue entre o irônico e extremamente empolgado nos sons que escuta. E claro, criador do Achados Musicais! Ufa!

0 comentário em “4 anos de “Esú”, de Baco Exu do Blues

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: